sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Previsões

O homem frio
Do tempo. Envolto
No plástico das
Luminescências
Ele revolve-se,
Eterno poluente
Da previsão das Eras

No tempo
Seco, o homem.
De ambiguidades
Diminutas, secundárias
E milésimas.
Imundas de presságios,
As horas
Devolvem o mundo

À terra

Gustavo Rezende